28 May 2009

57 - GORONGOSA - NOVA MODALIDADE DE SAFARIS



"ONE AFRICA" INTRODUZ NOVAS FORMAS DE SAFARIS NO
PARQUE NACIONAL DA GORONGOSA




Acaba de ser divulgado pelo Departamento de Comunicação do Parque Nacional da Gorongosa, o início de uma nova modalidade de safaris neste famoso santuário da vida bravia de Moçambique.

Trata-se de passeios a pé e canoagem a cargo da empresa "One Africa", de origem Zimbabweana.

Os pormenores desta louvável iniciativa constam do comunicado do PNG, que a seguir se reproduz:

“One Africa” acaba de introduzir em regime de exclusividade safaris de passeios a pé (complementados com actividades de canoagem) no Parque Nacional da Gorongosa (PNG), uma área de conservação situada em pleno centro de Moçambique e que possui uma história notável, descrita pela empresa como uma zona selvagem com muito potencial turístico a explorar.

O projecto denominado Explore Gorongosa é a primeira iniciativa privada de ecoturismo a operar no PNG, cuja principal missão é oferecer uma série de caminhadas e canoagens, que visa introduzir os clientes nas maravilhas do mítico ecossistema da grande Gorongosa. Igualmente, vai oferecer várias experiências para a exploração de toda a gama das potencialidades turísticas da região através de expedições especiais às águas termais de Bué - Maria, às cascatas de Murombodzi, na Serra de Gorongosa e visitas às comunidades vizinhas.

De acordo com Rob Janisch, director de “One Africa”, Moçambique é um país extremamente diversificado e onde apenas algumas zonas, sobretudo praias, foram descobertas pelo turismo, mas as suas áreas selvagens situadas no interior, onde se inclui o PNG, têm muito por desvendar.

Rob explicou que uma das razões pelas quais a sua organização privilegia safaris a pé é por serem perfeitamente adequados para uma área de conservação, afirmando que quando alguém anda a pé descobre muitas histórias do mato, através da aprendizagem sobre as árvores e restante vegetação e, naturalmente caminhando mais perto dos animais. A outra grande vantagem no passeio pedestre é que permite chegar mais perto dos pássaros, proporcionando incríveis visualizações e captação fotográfica de pormenores.



“Os enorme espaços abertos e as várzeas ribeirinhas e florestais são ideais para explorar a pé, sem ruído de motores, o que permite ao turista ouvir os sons ao seu redor e ver todos os detalhes da região com ajuda da interpretação dos guias que mantém-no seguro de ataques dos animais selvagens” - acrescentou.


Caminhada na zona das acácias amarelas

Para os safaris do tipo caminhada e canoagem não estão estabelecidos itinerários. As jornadas de passeio cobrindo grupos de até oito pessoas no máximo terão uma programação flexível e acontecerão em diversas áreas do Parque, seguindo os mais altos padrões de segurança e orientação de guias especializados e com experiência na fauna moçambicana.

De acordo com a fonte, embora o serviço principal seja safaris a pé, o Explore Gorongosa irá fazer o que for preciso para explorar plenamente o Parque, como por exemplo, observar o pôr-do-sol enquanto se desfruta uma refrescante bebida ou comer debaixo de um esplêndido céu repleto de estrelas.

Para o efeito, conta com exclusivas tendas móveis e fixas, preparadas para todo o tipo de condições meteorológicas, num acampamento conhecido por “Exploradores”, situado no meio de uma ampla planície no interior do PNG.


Acampamento “Exploradores”


“One Africa” é uma pequena sociedade de gerência de safaris privados de origem zimbabueana fundada em 2006, em Victoria Falls, pelo casal Jos e Rob Janisch.

Ambos, após terem se envolvidos intensivamente ao longo da última década na indústria de safari, tanto no terreno, como na orientação e funções de gestão, perceberam que existem outras oportunidades a explorar na área através de uma abordagem inovadora ao conceito de safaris de ecoturismo.

Nesta perspectiva, estabeleceram vários contactos junto às diversas entidades que gerem o turismo em Moçambique, apresentando propostas para concessões e licenças de exploração de ecoturismo.

Em Moçambique inicialmente conseguiram uma concessão na Reserva do Niassa onde foi aplicado o conceito de luxuosos safaris móveis, resultante da implementação do projecto ecoturístico designado “Moja Explore”, e agora um acordo de cinco anos com o PNG.



O director de “One Africa”, Rob Janisch

Ao divulgarmos esta notícia, ocorre-nos uma outra modalidade turística de grande sucesso que é praticada em vários países africanos e sobretudo nos parques e reservas da fauna bravia. Trata-se do balonismo, que Moçambique ainda não conhece, mas que tudo indica o próprio Parque da Gorongosa poderá vir a ter em breve. Pelo menos uma empesa portuguesa do ramo já se mostrou interessada nessa exploração!

Saudamos todas estas iniciativas porque sabemos que elas contribuem para o desenvolvimento cada vez maior do referido Parque!

Amor-Leiria, 28 de Maio de 2009

Celestino Gonçalves

1 comment:

Tito said...

Fascinante o modo de apresentação e conteúdo.Agora de volta a Moçambique desde 2005, vivi essa época e conheci todos intervenientes nesta linda, histórica e magnífica reposição do passado. Tempo voa, as pessoas se vão, mas suas obras ficam. Aluno de Travassos Dias, Tendeiro, Martins Mendes, (Rosinha ainda não dava aulas nos EGUM/ULM), ficamos marcados por essa época. A Fauna me me levou a seguir Medicina Veterinária. Esta semana (Dez 2009)em MZ sou arguente de Tese de Mestrado nesse domínio que sempre me fascinou.
Bem haja ao Celestino Gonçalves.
Tito Fernandes (mais conhecido pelo filho do Max....).