18 November 2007

29 - O PRIMEIRO ENCONTRO DE REPRESENTANTES DO PARQUE E DA FRELIMO




1 9 7 4

O PRIMEIRO ENCONTRO

DE REPRESENTANTES DO PARQUE E DA FRELIMO

(PRIMEIRA PARTE)


1 - O ENCONTRO




A luta armada que a Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) desencadeou durante dez anos (1964/1974) com vista à independência de Moçambique, viria a terminar pouco depois do golpe militar em Portugal em 25 de Abril de 1974, mais concretamente depois de assinado o Acordo de Luzaca em 7 de Setembro do mesmo ano entre representantes do governo de Lisboa e a delegação da Frelimo chefiada pelo seu presidente Samora Moisés Machel.

Desde 1970 que a guerra iniciada no norte havia atingido o centro de Moçambique e o Parque Nacional da Gorongosa viria a ressentir-se devido a algumas acções da Frelimo, nomeadamente depois de um ataque intimidativo às instalações do acampamento do Chitengo, em 1973, quando o mesmo estava repleto de turistas. Esta situação levou as autoridades coloniais (civis e militares) a colocar no Parque uma Companhia de tropa portuguesa e um grupo equivalente em número de homens armados sob o comando da Organização Provincial de Voluntários – OPV.

A situação de guerra favoreceu a acção dos caçadores furtivos, tanto residentes como idos das cidades e vilas, que abatiam indiscriminadamente os grandes animais, sobretudo elefantes. Logo após o “25 de Abril” tudo se agravou devido à indisciplina reinante nos homens da OPV, também eles predadores dos efectivos dos grandes animais, quer para alimentação quer para negócio da carne e marfim. Os próprios guardas e os trabalhadores do Parque em geral, afectados pela confusão reinante, caíram numa total indisciplina e deixaram de cumprir cabalmente as suas tarefas passando os dias a reivindicar condições impossíveis de satisfazer no momento que se atravessava.

A administração do Parque encontrava-se, nessa altura, desfalcada dos principais responsáveis devido ao pedido de demissão, meses antes, do próprio administrador, o veterinário Dr. Albano Cortês e pela ausência de férias em Portugal do respectivo adjunto, o fiscal de caça Luís Lopes Fernandes. O fiscal de caça Justino Matias, que ficou a substituir o adjunto, tal como o seu colega Manuel João Moedas, tiveram entretanto de ser retirados do Parque porque vinham sendo maltratados e ameaçados de morte pelos homens da OPV, justamente por tentarem opor-se às suas actividades ilegais. Ambos foram substituídos no Chitengo pelos fiscais de caça Pedro Manussos e Joaquim Rato Martins, excelentes profissionais conhecedores do Parque, mas impotentes perante tão caótica situação.

A primeira medida para acabar com toda aquela anarquia foi a desmobilização e retirada do grupo da OPV . Assim, em fins de Julho (3 meses após o “25 de Abril”), depois de uma autêntica odisseia que eu próprio vivi como enviado especial do serviços centrais para promover essa diligência, foi possível, com o apoio do comandante das tropas portugueses e dos seus homens instalados no Chitengo, desarmar e retirar os 120 homens e enviá-los para Lourenço Marques, onde haviam sido recrutados e preparados para aquela missão no Parque. Um trabalho que se tornou difícil devido ao facto da retirada do grupo não ter sido decidida nem apoiada pelos altos comandos da OPV. Uma história que está enterrada como tantas outras que ocorreram nesse período do fim da chamada “guerra colonial” e na transição até à independência de Moçambique em 25 de Junho de 1975!

Imediatamente após a saída dos “voluntários”, reuni com os responsáveis e representantes dos trabalhadores do Parque baseados no Chitengo, para uma análise da situação e estudo de medidas a tomar com vista ao futuro do mesmo Parque. Foi resolvido contactar o mais breve possível os responsáveis da Frelimo sedeados algures na base da Serra da Gorongosa e na margem esquerda do rio Púnguè, com os quais ainda não tinha havido qualquer ligação. Apenas se dispunha de informações que existiam tais bases e que o comandante da região era um guerrilheiro famoso de nome Cara Alegre.

Elaborou-se um documento (mensagem) dirigido aos combatentes da Frelimo, exortando-os a defenderem o Parque e darem apoio imediato aos seus responsáveis para resolução de problemas graves que ali decorriam, tais como a caça furtiva e indisciplina entre os trabalhadores. Apesar de ter sido redigido a 4 de Agosto, somente a 11 do mesmo mês foi possível entregar tal documento ao comandante Cara Alegre, o que aconteceu através de um grupo de representantes do Parque, que o subscreveram, a saber:

- Celestino Ferreira Gonçalves, fiscal de caça-chefe
- Joaquim Pedro Rato Martins, fiscal de caça de 1ª classe
- Pedro David Ernesto Manussos, fiscal de caça de 2ª classe
- Chico Natal Alfredo Candeeiro, motorista
- Francisco Pranga, servente de 1ª classe (guarda)
- Castigo Mamunanculo, servente de 1ª classe (guarda)

O encontro com o famoso comandante da Frelimo ocorreu em Vila Paiva, sede da Circunscrição da Gorongosa (actual vila de Gorongosa) depois de contactos prévios através do comerciante Dário Santos Mosca, desta localidade, pessoa muito conceituada na região e cujas relações com os representantes da Frelimo eram cordiais. Foi a primeira vez que este comandante apareceu em público e se encontrou com as forças vivas, civis e militares, da região, um acontecimento que arrastou uma autêntica multidão de elementos das populações da vila e circunvizinhas que ali acorreram para ver esta figura mítica da luta armada, cuja popularidade ficou bem demonstrada pelas aclamações de que foi alvo à chegada e quando percorreu as ruas da vila.

Foi uma autêntica festa, toda ela patrocinada e dirigida pelo comerciante Mosca, que inclusivamente ofereceu comidas e bebidas a centenas de pessoas que encheram literalmente as suas instalações comerciais e a rua fronteira, dando largas à sua alegria cantando e aplaudindo a Frelimo e o comandante Cara Alegre.

Após o primeiro contacto com a população que se concentrara em frente do complexo comercial e industrial de Santos Mosca, o comandante Cara Alegre foi convidado para se dirigir ao quartel militar onde o comandante do batalhão português, tenente coronel Cavaco, acompanhado dos representantes das forças vivas locais e do Parque Nacional da Gorongosa, o recebeu no seu gabinete e lhe dirigiu palavras amigas, retribuídas em tom emocionado por este representante máximo da Frelimo na região da Gorongosa.

A nossa representação teve um acolhimento muito especial da parte daquele combatente, que ouviu com muita atenção a leitura que fizemos da nossa mensagem no momento da cerimónia no gabinete do comandante do batalhão português e agradeceu no final afirmando que a faria chegar ao seu chefe máximo, o presidente Samora Machel. Ali mesmo ficou combinada a sua ida ao Chitengo, dias depois, um convite que aceitou prontamente face às preocupações que lhe transmitimos sobre a situação complicada que se vivia no Parque.

Regressados ao Chitengo, no dia seguinte ao memorável encontro de Vila Paiva foi-nos entregue pelos guardas do portão de entrada no Parque uma mensagem escrita a lápis, num papel tosco, que dizia: “O responsável vindo de L. Marques deve apresentar-se no Bué Maria, amanhã de manhã, sem armas nem militares”. Esta mensagem, que não estava assinada e tinha em baixo a palavra “Frelimo” em letras gordas, foi analisada e todo o grupo que esteve na Vila acordou que seria prudente comparecermos. O mesmo não opinou o capitão da Companhia da tropa portuguesa, que nos chamou a atenção para o perigo de se tratar de uma cilada, acrescentando que em caso de sermos raptados ele nada faria pois tinha ordens superiores, face a ocorrências recentes, de não se exporem mais a situações de perigo como essa.

Não obstante a opinião do capitão português, seguimos no dia seguinte de manhã para o Bué Maria, agora com o grupo acrescido de mais dois elementos – Manuel Chimoio, motorista e Alberto Matambo, servente de 1ª classe (guarda) -, utilizando uma viatura em cuja caixa aberta nos acomodamos. No trajecto de cerca de 5 Km entre o portão de entrada do Parque e o Bué Maria, na margem esquerda do rio Púnguè, sempre com a viatura em velocidade moderada, nada aconteceu. Nem vivalma e a sensação que tínhamos é que até os animais, mesmo as aves, haviam desaparecido, tal o silêncio da mata! Chegados ao rio e depois de uma pequena pausa, o Castigo Mamunanculo, o carismático e sensato guarda do Parque, observou com grande convicção que no regresso teríamos de certo o encontro. E não se enganou!

A cerca de um quilómetro do rio e logo após uma curva, deparamos com um grupo (cerca de meia dúzia) de combatentes armados no meio da picada. Deram-nos ordens para entrar na mata, colocando um guia à frente e os restantes atrás do grupo. Obedecemos sem trocar qualquer palavra e à medida que nos embrenhávamos para o interior, silenciosos como nos foi ordenado, apenas trocávamos olhares entre os companheiros mais próximos e percebíamos que a intranquilidade se instalara em cada um de nós. A incerteza do que nos esperava e o aspecto severo dos “raptores”, sempre com o dedo no gatilho das Kalasches, não dava para melhor disposição!

Finalmente, após cerca de um quilómetro de caminhada (que nos pareceu dez), chegamos junto de outro grupo de combatentes, estes chefiados pelo responsável da base de Bué Maria, o comandante Alfredo Maria, que se apresentava bem vestido de camuflado cinzento esverdeado às pintas, a contrastar com a figura desoladora dos seus subalternos, mal vestidos, esfarrapados e quase descalços!

Fomos recebidos com alguma rudeza mas após a resposta que demos à pergunta sobre a situação dos “voluntários” da OPV, tudo se desvaneceu. Ao saber que os famigerados “voluntários” já haviam sido desmobilizados e mandados para a capital, o Alfredo Maria mudou de tom e permitiu o diálogo durante o qual lhe demos conta da situação preocupante do Parque e relatamos o encontro dois dias antes com o comandante Cara Alegre, em Vila Paiva. Entregámos-lhe, também, um exemplar da nossa mensagem à Frelimo e convidámo-lo a estar presente no encontro do Chitengo onde o Cara Alegre também estaria, dois dias depois. Ao fim de meia hora tudo estava esclarecido e já tranquilos despedimo-nos com toda a cordialidade, como novos amigos que auguram excelentes relações no futuro!

O Alfredo Maria, ao contrário do Cara Alegre, era pouco comunicativo e todas as suas palavras eram pausadas e revelavam grande dose de autoritarismo, mesmo nos pedidos que nos fez para lhe fornecermos alimentação, fardas e calçado para os seus combatentes. Nesse mesmo dia, à tarde, uma viatura partiu do Chitengo carregada de fardas (calças, camisas, botas, cintos e bonés), material que fora retirado aos “voluntários” na sua desmobilização. Enviamos, também, produtos de alimentação e sabão. No regresso veio a resposta positiva ao convite para o encontro no Chitengo, devendo o Parque mandar viatura para o transporte.


2 – A BANJA NO CHITENGO
No dia aprazado, 16 de Agosto, 2 viaturas do Parque partiram ao alvorecer, uma para a Serra da Gorongosa e outra para o Bué Maria e de lá transportaram para o Chitengo aqueles dois comandantes e os elementos da sua segurança pessoal. O grupo do Bué Maria chegaria muito atrasado em relação ao da Serra e praticamente não participou dos momentos mais significativos das cerimónias de recepção.

Ambos os comandantes vinham impecáveis nas suas fardas, naturalmente diferenciadas das dos seus subalternos. O Cara Alegre apresentou-se com um visual bem diferente daquele que usou no encontro de 11 de Agosto em Vila Paiva, agora vestido de camuflado de manchas largas, de confecção exclusiva dos comandantes da Frelimo, com o seu inseparável chapéu de abas largas presas de ambos os lados, óculos escuros, pistola à cinta e do lado esquerdo do peito o emblema da Frelimo. Irradiava boa disposição e simpatia e isso ajudou à descontracção de todos. O Alfredo Maria, também garboso e vestido à imagem do seu colega, deu menos nas vistas até pela sua condição de subordinado ao nível de comando da área da Gorongosa.

O Chitengo mobilizou toda a sua capacidade organizativa para este encontro, que não obedecendo a nenhum protocolo das partes primou por receber condignamente os convidados da Frelimo, idos ali pela primeira vez numa situação de paz, embora a paz verdadeira só tivesse sido materializada em 7 de Setembro seguinte, em Luzaka.

O comandante das tropas portuguesas instaladas no Chitengo, bem como os seus subalternos, aliaram-se aos funcionários e trabalhadores do Parque nesta recepção e convívio, que decorreu em franca camaradagem e sem ressentimentos de ambas as partes.

Coube-me a responsabilidade de anfitrião e apoiado pelos restantes elementos dos grupos que se deslocaram a Vila Paiva e Bué Maria, mobilizamos todos os trabalhadores, tanto do Estado como da Safrique, assim como as suas famílias, para participarem na banja de boas vindas aos convidados.
Graças à eficiência sempre patenteada pela Safrique na sua qualidade de concessionária da parte hoteleira do Parque, foi possível oferecer às delegações visitantes um belo almoço no restaurante do Chitengo. Durante o mesmo e por iniciativa do comandante Cara Alegre, cantou-se o “Vila Morena”, cuja letra este sabia de cor e poucos o puderam seguir senão no entoar da música. Foi o ponto alto desta confraternização que a todos emocionou. Soubemos depois que o Cara Alegre era um excelente músico e havia estado meses antes no encontro mundial da juventude comunista e se encontrara com camaradas portugueses aprendendo com eles a célebre canção de Zeca Afonso que assinalou o golpe militar do “25 de Abril”!


Antes de se dirigir às massas concentradas em frente do edifício da administração do Parque, o comandante Cara Alegre foi elucidado dos problemas que grassavam e que mais preocupavam os responsáveis, nomeadamente a indisciplina dos trabalhadores e a situação da caça furtiva que nos últimos dois meses se tornara incontrolável. Ele abordou estes temas na banja, dando particular ênfase à questão da indisciplina que, salientou com severidade, era intolerável no seio da Frelimo e como tal, também ali, a partir desse momento, seria severamente punida pela própria Frelimo.

As promessas feitas publicamente pelo comandante Cara Alegre, de enviar pessoal armado para iniciar uma guerra sem tréguas aos caçadores furtivos, assim como de um secretário político para consciencializar e disciplinar os trabalhadores, foram cumpridas dias depois. A viragem há muito desejada no Parque iniciou-se no próprio dia da banja, tal o impacto da intervenção deste comandante junto dos trabalhadores!

Ao fim de uma semana de acção das brigadas e do secretário político da Frelimo no Parque, a situação era outra. Mais de cem furtivos e outras tantas armas ilegais foram aprisionados e os trabalhadores voltaram às suas tarefas normais, ordeira e disciplinadamente. Uma mudança total que relançou o Parque nas suas actividades normais, incluindo a parte turística.
Graças à eficiência sempre patenteada pela Safrique na sua qualidade de concessionária da parte hoteleira do Parque, foi possível oferecer às delegações visitantes um belo almoço no restaurante do Chitengo. Durante o mesmo e por iniciativa do comandante Cara Alegre, cantou-se o “Vila Morena”, cuja letra este sabia de cor e poucos o puderam seguir senão no entoar da música. Foi o ponto alto desta confraternização que a todos emocionou. Soubemos depois que o Cara Alegre era um excelente músico e havia estado meses antes no encontro mundial da juventude comunista e se encontrara com camaradas portugueses aprendendo com eles a célebre canção de Zeca Afonso que assinalou o golpe militar do “25 de Abril”!


A pouco mais de um mês destas ocorrências no Parque e em resultado do Acordo de Luzaka, deu-se início à mudança política no território com a instalação de um governo provisório que dirigiu o país até à sua independência em 25 de Junho de 1975. Ambos os comandantes – Cara Alegre e Alfredo Maria – foram investidos de funções em organismos de defesa e segurança desse governo, na cidade da Beira. Depois da independência, o comandante Cara Alegre, agora major das FPLM (Forças Populares de Libertação de Moçambique), seria transferido para Maputo para dirigir a banda militar. Ali nos encontramos várias vezes graças à amizade mútua que cultivamos desde o primeiro encontro em Vila Paiva. Curiosamente, um desses encontros aconteceu durante as comemorações anuais da Semana Nacional da Natureza, ambos integrados no programa de visita à Reserva de Elefantes do Maputo e que foi mais uma demonstração do antigo comandante do seu grande interesse pela fauna bravia.

Mais de três décadas decorridas, é justo recordar estas duas figuras míticas da FRELIMO, que na altura certa ajudaram a defender o mais importante santuário de fauna bravia de Moçambique, considerado o melhor de África. Os efeitos da sua acção benéfica no Parque sentiram-se durante vários anos, até 1981, altura em que o conflito interno Frelimo/Renamo, que entretanto surgira, chegara à região da Gorongosa e o Parque viria a ser atingido drasticamente, ficando em total abandono até 1992. Mas esta é outra história, a mais negra de todas!


3 – IMAGENS PARA A HISTÓRIA



A chegada do comandante Cara Alegre a Vila Paiva. Junto dele o anfitrião e organizador do encontro, Dário Santos Mosca. Mais atrás o chefe da representação do Parque (autor desta crónica). O segundo à direita é Adelino Serras Pires Junior (Tim-Tim), que com outros elementos da SAFRIQUE estiveram presentes neste encontro.



O comandante Cara Alegre (centro)

é cumprimentado por um militar do batalhão português instalado na Vila.


Na varanda da pousada da Vila o comandante recebe as boas vindas do comerciante e proprietário Santos Mosca perante as forças vivas e uma grande multidão que o aclamou e à Frelimo.


A apoteótica chegada de Cara Alegre e sua comitiva ao Chitengo.





Na varanda do edifício da administração do Parque dou as boas vindas ao comandante da região militar da Frelimo da área da Gorongosa. À sua direita e à civil o capitão comandante da companhia de tropas portuguesa instalada no Chitengo.





Momento da cerimónia de boas vindas em que o funcionário do Parque, Francisco Pranga, traduzia a intervenção de Cara Alegre.


Aspecto da concentração de pessoas no momento da cerimónia de boas vindas aos representantes da Frelimo no Chitengo.



Mesa principal do almoço oferecido pela SAFRIQUE aos convidados, com Cara Alegre ao centro, o capitão português e esposa à direita e à esquerda Celestino Gonçalves e um comandante subalterno de Cara Alegre.


* * *
NOVEMBRO, 2007



Celestino Gonçalves

1 comment:

Luis Mourinho Videira said...

Tenho fotos das conversações entre a minha companhia e o Cmdt Cara Alegre no Chitengo, pois estive ali em 1974, no Cavalo e no Piro.
O meu email é luis.videira@gmail.com.
Se alguém quiser ver estas fotos posso enviar.
E este é que foi o 1º encontro no Chitengo com o Cmdt Cara Alegre.