20 June 2007

16 - RECORDANDO OS CAÇADORES GUIAS DA ÉPOCA DE OURO DOS SAFARIS EM MOÇAMBIQUE

(5)

José Pedro Afonso Ruiz

Um dos maiores caçadores de elefantes de Moçambique

Nascido em Lourenço Marques (actual Maputo) em 1921, filho de pai espanhol e de mãe portuguesa, o JOSÉ RUIZ desde miúdo que se apaixonou pela caça, um passatempo que na época entusiasmava a maioria dos jovens da cidade capital de Moçambique, visto que à sua volta, onde hoje existem os bairros da Carreira de Tiro, Summer-shield, Malhangalene, Aeroporto, Mahotas e Benfica, abundavam espécies bravias, como lebres, cabritos, perdizes, gansos, patos e toda uma infinidade de aves ! Era ali que se iniciavam aqueles que sonhavam com o interior e com as aventuras da caça grossa ! O Ruiz foi dos que, muito jovem ainda, se aventurou nessas andanças. Primeiro nas caçadas de fim de semana nas regiões circunvizinhas de Marracuene, da Manhiça, da Moamba, do Sábiè, de Changalane, de Catuane, do Maputo (Bela Vista), de Magude e outras zonas onde era relativamente fácil encontrar muitas e variadas espécies, desde os pequenos Chenganes (cabritos da floresta), aos grandes elefantes, passando pelos hipopótamos, búfalos, cudos, gnús, inhalas, impalas, zebras, leões, leopardos, etc,.

Tornou-se caçador profissional aos vinte anos, dedicando-se inicialmente ao abate de hipopótamos nos rios Incomáti e Maputo, animais estes que, tal como os elefantes, até à década de 50, eram considerados daninhos para a agricultura e como tal de caça livre fora dos Parques e Reservas. Destas regiões transitou para as províncias de Gaza e Inhambane, caçando sobretudo elefantes a sul do rio Save e Alto Limpopo até 1949.

........................................................................................................................................................................

A capacidade profissional de alguns dos caçadores que, como o José Ruiz, abraçaram a indústria do turismo cinegético, depressa deu os seus frutos. Passaram a ser conhecidos no mundo da caça e transportaram o nome de Moçambique para a ribalta dos meios da alta finança, que até ali só conhecia o Quénia, a Tanganhica e um ou outro território africano onde há muitos anos eram efectuados os safaris de caça.

.........................................................................................................................................................................

No apogeu da sua carreira, em meados da década de 60, o seu nome aparecia com frequência nas revistas da especialidade, com relatos dos seus feitos como caçador de elefantes e caçador-guia. Um “White Hunter” muito justamente comparado a famosos caçadores que em épocas anteriores actuaram nas ex-colónias inglesas de África , nomeadamente os célebres Frederick Selous, John Hunter, Allan Black, Bill Judd, Fritz Schindelar, Leslie Simpson e o fantástico “Karamojo Bell” – o único caçador de elefantes que usava uma arma ligeira de calibre .256 para abater estes paquidermes!

.........................................................................................................................................................................

A vida dura que levou quando em campanha no mato, durante muitos anos e a privação de muitas coisas essenciais para a manutenção da saúde, desde os géneros de alimentação aos medicamentos, trouxeram-lhe consequências graves. Contraiu uma doença pulmonar que se agravou ao longo dos últimos anos e veio a falecer em 1971, com apenas 50 anos de idade!

.........................................................................................................................................................................

NOTA: A foto e texto acima fazem parte do Álbum de Recordações nº 5, publicado em 2001 na HP onde pode ser vista a biografia mais completa do caçador Afonso Ruiz. AQUI:

Marrabenta, Junho de 2007


1 comment:

Silvia said...

gostaria de fazer uma pequena correcção na biografia do Zé Pedro Ruiz, meu tio por afenidade, a Nyalaland Safari, pertencia ao tio Zé Pedreo, ao meu sogro Vladimiro Cardiga, e aos tios Vera e Vasco Cardiga, não aos irmãos Abreu. Aqui fica a correcção, Silvia Cardiga